Os métodos de treino aplicado na musculação parte 1

O treinamento de força, está em alta nas academias e nos programas de personal trainer, seja o seu objetivo: Condicionamento físico geral, Performance esportiva, Reabilitação de lesões e aumento da massa muscular.

1309481940401orientacao-correta-nos-exercicios-de-musculacao

 

Existem vários métodos de treinamento que gera muita polêmica, sobre a superioridade de cada sistema de treino.

Essa questão de cada método do treino deve-se vista com muito cuidado por cada professor, pois existem pouquissimos estudos e trabalhos científicos sobre esses sistemas, dificilmente podemos afirmar qual a melhor forma de ser trabalhado, o fato é que eles são mjuito interessantes.

O que ocorre é que o organismo humano de um aluno pode responder mais do que o outro aluno, não significa que o treino seja melhor ou pior, mas que o aluno respondeu de forma positiva ou negativa, afinal quando se fala do aumento da massa muscular ou força pura, muitas variaveis estão em jogo Exemplo: Descanso, Alimentação e Treino excessivo.

Esses métodos de treinos foram elaborados por Preparadores Físicos e Atletas de Força, o que significa que não foram elaborados em laboratórios para estudo científicos ou seja não existem comprovações cientificas sobre os métodos e sistema de treinamento.

Hoje pesquisadores e fisiologistas procuram respostas mais detalhadas sobre o assunto, mas que esses métodos tem uma significância muito grande sobre os rsultados apresentados em alunos, para os benefícios na massa muscular, profilaxia de doenças e emagrecimento!

Esse artigo vai ter continuações espero que acompanhem essa matéria interessante sobre os mistério dos sistema de treinos na musculação.

SISTEMAS DE TREINO

Decrescente ou Drop Set

Objetivo: Visa hipertrofia muscular

Praticante: Avançado

Numeros de semanas sugeridos: 2 a 3 semanas

Procedimento: No método decrescente ou drop set, é necessário realizar um número determinado de repetições exemplo: seis repetições. Sem intervalo, ou com intervalo muito pequeno no máximo 30 segundos, diminui se a carga ou aumenta se a mesma!

O numero de diminuições de cargas pode variar de uma a 3 em média.

Exemplo 15,12,10,8 aumentando a carga ou 8,10,12,15 diminuindo a carga

Proximo estudo eu venho com bi set e tri set!

Um abraço a todos!

Referências

Manual de musculação; uma abordagem teórico-prática do treinamento de força/ Marcos Carlos Uchida..et al 7ed São Paulo editora Phorte, 2013.

De uma olhada aqui sobre um exemplo na prática de Drop Set

Dança corporal uma expressão sem limites

A adolescência é uma etapa do desenvolvimento que envolve muitos conflitos,  sendo considerada uma fase crítica, cheia de momentos turbulentos e que requer muita

atenção e compreensão das pessoas que circundam esse adolescente.

A escola faz parte deste universo e dentre as várias possibilidades de conteúdos, enfatizamos que as atividades dançantes podem contribuir para amenizar essa  fase de turbulências, pois auxilia o desenvolvimento biopsicossiocial.

download

A dança é uma forma de expressão humana, assim como a pintura, literatura, escultura, entre outras. Ela faz parte da comunicação não-verbal  que envolve todas as manifestações de comportamento como os gestos, as expressões de emoções, orientações do corpo, as posturas, a relação de distância entre os indivíduos e, ainda, organização dos objetos no espaço. Está presente no nosso dia-a-dia, mas, muitas vezes, não temos consciência de sua ocorrência e, nem  mesmo, de como acontece (KNAPP; HALL, 1999).

images

Pereira (2007) menciona que aprender a dançar significa também estabelecer novas formas de comunicação corporal, já que a aprendizagem da dança colabora para a expressividade de manifestação do corpo, ou seja, de manifestação do ser.

Dessa  forma, a dança é uma das mais poderosas formas de comunicação e expressão corpopral.

Uma  forma  de  linguagem universal e faz parte da cultura corporal da humanidade.

dance-pics

Neste estudo enfocaremos o contato corporal através da atividade de dança no salão, entendendo-a como uma manifestação eminentemente social, de identificação de um grupo, integração e forma de lazer e ainda que permita o desenvolvimento dos aspectos físicos, psicológicos e sociais.

Confira aqui alguns vídeos, do que uma dança é capaz de fazer!

https://www.youtube.com/watch?v=YbzJdsA355E

Até mais galera!

A IMPORTÂNCIA DO EXERCÍCIO RESISTIDO COM PESO

Bom dia alunos, professores e colaboradores, hoje vamos falar um pouco sobre os benefícios do exercício resistido com peso e sua importância!

DSC03322-713x5021

Você sabia que o exercício é perfeito para o bem estar físico, mental, social, psicológico e espiritual

Vamos ver alguns de seus benefícios

Melhora o fluxo sanguíneo no corpo vasodilatando mais suas veias cavas e melhorando a ejeção de sangue das parede nas artérias!

100086_10245

Social, Moda e Estética

Ginastica localizada

Preparação física em atletas, culturismo específico para competição

8

Clínicos: posturais, lesões, osteoporose, cardíacos, neuromusculares, diabético, obesidade, depressão e imunológico.

muscula

Capacidade do coração trabalhar eficazmente sob regime de alta pressão.

Fortalecer tórax é importante pois a musculatura toráxica, diafragmática e abdominal pode ser vital para a sobrevivência.

A musculatura bem desenvolvida é importante fator de proteção em relação as lesões traumáticas.

Melhora a capacidade Mental

cerebro-musculacao-diabetes

Levanta a Auto Estima

monday-135

Reduz os riscos de Colesterol alto

images

Prepara para um bom Envelhecimento

musculação-e-idosos

Fortalece os Ossos

yoga-idoso-02

Controla o açucar no sangue para o Diabetes

Perfeito para quem tem Depressão

Controla o quadro de Doenças Crônicas

Importañte para o Stress – Ansiedade

Melhora sua Estética

Conselhos médicos na área Profilática ou Terapêutica

Perfeito para Saúde Cardiovascular

Melhora muito o Sono

thumb_sono_musc

Obrigado a todos espero que tenham gostado fui!

 

 

 

Treinamento de Força para Crianças e Adolescentes

ACADEMIA AMERICANA DE PEDIATRIA (AAP)

O treinamento de força (também conhecido por treinamento resistido) é um componente comum dos programas de atividades esportivas e condicionamento físico para pessoas jovens, embora alguns adolescentes possam utilizar o treinamento de força como um meio de aumentar o volume muscular para melhorar a aparência física. Os programas de treinamento de força podem incluir a utilização de pesos livres, máquinas, tiras elásticas, ou o próprio peso corporal da pessoa que está praticando o treinamento. A quantidade e a forma de resistência utilizada e a freqüência dos exercícios resistidos são determinadas por meio dos objetivos específicos do programa de treinamento.

CRIANCA

BENEFÍCIOS DO TREINAMENTO DE FORÇA
Adicionalmente aos benefícios evidentes (como aumentar a força muscular), os programas de treinamento de força podem ser utilizados na tentativa de melhorar o desempenho esportivo e prevenir lesões, reabilitar lesões, e/ou melhorar a saúde em longo prazo. Similar a outras modalidades de atividades físicas, o treinamento de força tem demonstrado um efeito benéfico em diversos marcadores de saúde mensuráveis, como a aptidão cardiovascular, composição corporal, densidade mineral óssea, perfil dos lípides sanguíneos e saúde mental (psicológica). Em crianças com paralisia cerebral, estudos recentes demonstraram alguns benefícios através do aumento da força muscular, funcionamento físico global e aumento na sensação de bem-estar. Em crianças que se encontram acima do peso, o treinamento resistido está sendo incorporado aos programas de controle do peso corporal como uma atividade que aumenta a taxa metabólica sem causar altos impactos. Similarmente às populações geriátricas, o treinamento resistido em crianças pode estimular o aumento da mineralização óssea, bem como apresenta efeitos positivos na densidade mineral óssea.

DSC_5129

Diversos estudos têm demonstrado que o treinamento de força, praticado com a técnica de treinamento adequada e supervisão criteriosa, pode aumentar a força muscular em pré-adolescentes e adolescentes. A freqüência, o modelo (tipo de resistência adotada), a intensidade e a duração, todos contribuem para a criação de um programa de treinamento apropriado. Os aumentos na força ocorrem com praticamente todos os modelos de treinamento de força com uma duração mínima de 8 semanas e podem ocorrer com o treinamento realizado pelo menos uma vez por semana, embora os programas de treinamento efetuados duas vezes por semana possam ser mais benéficos.
Os programas de treinamento supervisionados adequadamente enfatizando o desenvolvimento do core (ou seja, que estejam focando a musculatura mais profunda (e estabilizadora) do tronco como os músculos abdominais, lombares e glúteos) também são adequados para as crianças e teoricamente auxiliam na aquisição de habilidades específicas às modalidades esportivas e no melhoramento do controle postural. Infelizmente, os ganhos decorrentes do treinamento resistido como força muscular, volume muscular, ou potência desaparecem cerca de 6 semanas após a interrupção do treinamento.

995765_464611196969735_435297812_n

Os exercícios preventivos (pré-reabilitação) se referem aos programas de treinamento de força voltados às áreas comumente submetidas a lesões, tais como os exercícios designados para prevenir lesões (por utilização excessiva) em regiões como o manguito rotador e exercícios para a estabilização escapular, principalmente em modalidades esportivas que utilizam movimentos acima da cabeça. Existem evidências limitadas sugerindo que a pré-reabilitação possa auxiliar na redução das lesões em adolescentes, mas não se sabe se esta medida desempenha os mesmos benefícios em atletas pré-adolescentes, e não há evidências que o treinamento de força irá reduzir a incidência de lesões catastróficas relacionadas à prática esportiva em adolescentes. Pesquisas recentes sugerem uma possível redução nas lesões decorrentes da prática esportiva em estruturas como o ligamento cruzado anterior em garotas adolescentes que combinaram o treinamento resistido com exercícios específicos.

curso- pilates crianca

RISCOS DO TREINAMENTO DE FORÇA

Muito do que se conhece a respeito das lesões associadas com o treinamento de força foi fornecido pela Comissão de Segurança de Produtos ao Consumidor do Sistema Nacional de Vigilância Eletrônica de Lesões dos EUA, que estimou o número de lesões ligadas aos equipamentos de ginástica (musculação). Os dados fornecidos a partir do Sistema não especificam nem a causa da lesão, nem separa as lesões decorrentes da prática recreativa das lesões ocasionadas com a prática competitiva resultante do treinamento de força.

Aparentemente, os programas de treinamento de força adequados não possuem efeitos adversos no crescimento linear, nos discos epifisários ou no sistema cardiovascular, embora cautela deva ser adotada para aqueles jovens esportistas com histórico pré-existente de determinadas patologias.
Crianças que se encontram acima do peso corporal normal podem parecer mais fortes devido ao seu tamanho, mas frequentemente possuem um alto nível de descondicionamento e baixos níveis de força, necessitando da mesma supervisão criteriosa necessária em qualquer programa de treinamento resistido.

academia_adolescentes

DIRETRIZES PARA O TREINAMENTO DE FORÇA

A avaliação médica da criança antes de iniciar um programa formal de treinamento de força pode identificar os fatores de risco para o surgimento de lesões e fornecer uma oportunidade de discutir lesões prévias, dores lombares, condições médicas, objetivos de treinamento, motivos para querer começar tal programa, técnicas de treinamento e expectativas a partir da própria criança e de seus pais. Os jovens devem ser lembrados que o treinamento de força é apenas uma pequena parte de um programa geral de condicionamento físico ou de atividades esportivas. Embora as pesquisas apóiem a segurança e a eficácia do treinamento de força para as crianças, o treinamento não é necessário ou adequado para qualquer criança.
Devido ao fato que a maturação dos sistemas relacionados ao balanço e ao controle postural ocorrem por volta dos 7-8 anos de idade, parece lógico que os programas de fortalecimento muscular não devam começar antes do desenvolvimento de tais habilidades. As crianças também devem avançar a certo nível de proficiência das habilidades em suas modalidades esportivas antes de participarem em um programa sério de treinamento de força para aumento da força muscular, para ocorrerem as adaptações em níveis significativamente potenciais.

musculacao_crianca
Os ganhos de força podem ser adquiridos por meio de diversos métodos de treinamento de força e equipamentos; entretanto, a maioria das máquinas de treinamento de força e equipamentos de academias é designada para pessoas adultas e possuem graduações nas cargas que são incompatíveis para as crianças mais jovens. Os pesos livres requerem um melhor controle do balanço corporal e técnica, entretanto são menores e portáteis, permitem um aumento pequeno e gradual das cargas e podem ser utilizados para os movimentos específicos à modalidade esportiva escolhida.
A execução dos movimentos realizada de forma rápida e explosiva não é recomendada, já que são movimentos que exigem a adoção de técnica e segurança na execução. O esporte do levantamento de peso é distinto do treinamento de força convencional, pois envolve tipos específicos de levantamentos rápidos, tais como o arranque e o arremesso.
Pesquisas limitadas acerca do levantamento de pesos como modalidade esportiva tem revelado a participação de crianças sem apresentar um índice elevado de lesões35-37, e alguns programas apresentam um baixo índice por seguirem o princípio que para ocorrer um acréscimo na carga, a execução dos movimentos deve ser com a técnica correta, evitando assim o surgimento de lesões.

personal-crianças
Assim como ocorre com o treinamento de força geral, a supervisão minuciosa e a aderência à técnica correta de execução dos movimentos são cruciais para um índice reduzido de lesões. Para avaliar os baixos níveis de lesões (devido ao fato que um número cada vez maior de jovens ingressam no levantamento de peso competitivo), a AAP continua hesitante para dar apoio à participação de crianças que se encontram, esqueleticamente falando, imaturas, bem como é contra o envolvimento de crianças no levantamento de força (básico), fisiculturismo, ou a adoção da técnica de 1 RM (1 repetição máxima) como meio de determinar o ganho de força muscular.
Para os propósitos deste artigo, as pesquisas referentes aos ganhos de força e as recomendações a respeito da participação de crianças envolvidas no levantamento de pesos aplicam-se especificamente à atividade do treinamento de força conjuntamente à participação nos programas de exercícios e modalidades esportivas.
Quando crianças e adolescentes são submetidos a um programa de treinamento de força, eles devem iniciar o treino com exercícios de baixa resistência, até que a aquisição da técnica seja perfeita. Os exercícios devem incluir todos os grupos musculares, incluindo os músculos do core (centro) e devem ser praticados por meio da amplitude completa de movimento para cada articulação. Para os ganhos em força muscular, as sessões de treinamento precisam durar pelo menos de 20 a 30 minutos, por 2 a 3 vezes por semana, e continuar com a progressão das cargas de treinamento ou repetições, conforme a força muscular aumenta. O treinamento de força praticado por mais de 4 vezes por semana não parece desempenhar efeitos adicionais e pode aumentar o risco para o surgimento de lesões por uso excessivo (overuse). A supervisão adequada é definida como a relação professor/aluno.

Treino-para-Criança
Os jovens que desejam melhorar suas habilidades esportivas geralmente obterão mais benefícios por meio da prática das habilidades específicas referentes às suas modalidades esportivas do que por meio do treinamento de força isoladamente, embora o treinamento de força deva ser parte de uma abordagem multifacetária do exercício e aptidão física. Se o objetivo em longo prazo for obter benefícios à saúde, então o treinamento de força deve ser combinado com um programa de treinamento aeróbico.

RECOMENDAÇÕES

As técnicas adequadas de treinamento e as precauções relacionadas à segurança devem ser seguidas de maneira que o treinamento de força para as populações de pré-adolescentes e adolescentes seja seguro e eficaz. Antes de iniciar um programa de treinamento de força, é preciso reconhecer se ele é realmente necessário ou qual o nível de habilidade (proficiência) este jovem já adquiriu por meio da prática de sua atividade esportiva. A técnica apropriada e supervisão minuciosa por um instrutor qualificado são componentes críticos em qualquer programa de treinamento de força envolvendo pré-adolescentes e adolescentes.

Referências Bibliográficas
Faigenbaum AD. Strength training for children and adolescents. Clin Sports Med. 2000;19 (4):593 –619[CrossRef][ISI][Medline] Stricker PR. Sports training issues for the pediatric athlete. Pediatr Clin North Am. 2002;49 (4):793 –802[CrossRef][ISI][Medline]
Blundell SW, Shepherd RB, Dean CM, Adams RD, Cahill BM. Functional strength training in cerebral palsy: a pilot study of a group circuit training class for children aged 4–8 years. Clin Rehabil. 2003;17 (1):48 –57[Abstract/Free Full Text]
McBurney H, Taylor NF, Dodd KJ, Graham HK. A qualitative analysis of the benefits of strength training for young people with cerebral palsy. Dev Med Child Neurol. 2003;45 (10):658 –663[CrossRef][ISI][Medline]
Morris FL, Naughton GA, Gibbs JL, Carlson JS, Wark JD. Prospective ten month exercise intervention in premenarchal girls: positive effects on bone and lean mass. J Bone Miner Res. 1997;12 (9):1453 –1462[CrossRef][ISI][Medline]
Blimkie CJ, Rice S, Webber CE, et al. Effects of resistance training on bone mass and density in adolescent females. Can J Physiol Pharmacol. 1996;74 (9):1025 –1033[CrossRef][ISI][Medline]
Falk B, Tenenbaum G. The effectiveness of resistance training in children: a meta-analysis. Sports Med. 1996;22 (3):176 –186[ISI][Medline]
Payne VG, Morrow JR Jr, Johnson L, Dalton SL. Resistance training in children and youth: a meta-analysis. Res Q Exerc Sport. 1997;68 (1):80 –88[ISI][Medline]
Faigenbaum AD, Milliken LA, Loud RL, Burak BT, Doherty CL, Westcott WL. Comparison of 1 and 2 days per week of strength training in children. Res Q Exerc Sport. 2002;73 (4):416 –424[ISI][Medline]
Stricker PR, Van Heest JL. Strength training and endurance training for the young athlete. In: Birrer RB, Griesemer BA, Cataletto MB, eds. Pediatric Sports Medicine for Primary Care. Philadelphia, PA: Lippincott Williams & Wilkins; 2002:83 –94
Ramsay JA, Blimkie CJ, Smith K, Garner S, MacDougall JD, Sale DG. Strength training effects in prepubescent boys. Med Sci Sports Exerc. 1990;22 (5):605 –614
Blimkie CJ. Resistance training during preadolescence: issues and controversies. Sports Med. 1993;15 (6):389 –407[ISI][Medline]
Faigenbaum AD, Westcott WL, Micheli LJ, et al. The effects of strength training and detraining on children. J Strength Cond Res. 1996;10 (2):109 –114[CrossRef]
Kraemer WJ, Fry AC, Frykman PN, Conroy B, Hoffman J. Resistance training and youth. Pediatr Exerc Sci. 1989;1 (4):336 –350
Ozmun JC, Mikesky AE, Surburg PR. Neuromuscular adaptations following prepubescent strength training. Med Sci Sports Exerc. 1994;26 (4):510 –514
Guy JA, Micheli LJ. Strength training for children and adolescents. J Am Acad Orthop Surg. 2001;9 (1):29 –36[Abstract/Free Full Text]
Fleck SJ, Kraemer WJ. Designing Resistance Training Programs. 3rd ed. Champaign, IL: Human Kinetics Books; 2004
Webb DR. Strength training in children and adolescents. Pediatr Clin North Am. 1990;37 (5):1187 –1210[ISI][Medline]
Flanagan SP, Laubach LL, DeMarco GM Jr, et al. Effects of two different strength training modes on motor performance in children. Res Q Exerc Sport. 2002;73 (3):340 –344[ISI][Medline]
Häkkinen K, Mero A, Kauhanen H. Specificity of endurance, sprint, and strength training on physical performance capacity in young athletes. J Sports Med Phys Fitness. 1989;29 (1):27 –35[ISI][Medline]
Cahill BR, Griffith EH. Effect of preseason conditioning on the incidence and severity of high school football knee injuries. Am J Sports Med. 1978;6 (4):180 –184[Free Full Text]
Hejna WF, Rosenberg A, Buturusis DJ, Krieger A. The prevention of sports injuries in high school students through strength training. Natl Strength Coaches Assoc J. 1982;4 (1):28 –31
Hewett TE, Meyer GD, Ford KR. Anterior cruciate ligament injuries in female athletes: part 2—a meta-analysis of neuromuscular interventions aimed at injury prevention. Am J Sports Med. 2006;34 (3):490 –498[Abstract/Free Full Text]
US Consumer Product Safety Commission. National Electronic Injury Surveillance System [database]. Available at:www.cpsc.gov/library/neiss.html. Accessed March 29, 2007
Risser WL, Risser JM, Preston D. Weight-training injuries in adolescents. Am J Dis Child. 1990;144 (9):1015 –1017[Abstract]
Risser WL. Weight-training injuries in children and adolescents. Am Fam Physician. 1991;44 (6):2104 –2108[ISI][Medline]
Mazur LJ, Yetman RJ, Risser WL. Weight-training injuries. Sports Med. 1993;16 (1):57 –63[ISI][Medline]
Weltman A, Janney C, Rians CB, et al. The effects of hydraulic resistance strength training in pre-pubertal males. Med Sci Sports Exerc. 1986;18 (6):629 –638
Bailey DA, Martin AD. Physical activity and skeletal health in adolescents. Pediatr Exerc Sci. 1994;6 (4):330 –347
Steinherz LJ, Steinherz PG, Tan CT, Heller G, Murphy ML. Cardiac toxicity 4 to 20 years after completing anthracycline therapy. JAMA. 1991;266 (12):1672 –1677[Abstract]
Maron BJ, Chaitman BR, Ackerman MJ, et al. Recommendations for physical activity and recreational sports participation for young patients with genetic cardiovascular diseases. Circulation. 2004;109 (22):2807 –2816[CrossRef][ISI][Medline]
American Academy of Pediatrics, Committee on Sports Medicine and Fitness. Adolescents and anabolic steroids: a subject review. Pediatrics. 1997;99 (6):904 –908[Abstract/Free Full Text]
Gomez J, American Academy of Pediatrics, Committee on Sports Medicine and Fitness. Use of performance-enhancing substances. Pediatrics. 2005;115 (4):1103 –1106[Abstract/Free Full Text]
Harris SS. Readiness to participate in sports. In: Sullivan JA, Anderson SJ, eds. Care of the Young Athlete. Elk Grove Village, IL: American Academy of Pediatrics and American Academy of Orthopaedic Surgeons; 2000:19 –24
Stone MH, Pierce KC, Sands WA, Stone ME. Weightlifting: a brief overview. Strength Cond J. 2006;28 (1):50 –66
Byrd R, Pierce K, Reilly L, Brady J. Young weightlifters’ performance across time. Sports Biomech. 2003;2 (1):133 –140[CrossRef][Medline]
Hamill BP. Relative safety of weightlifting and weight training. J Strength Cond Res. 1994;8 (1):53 –57[CrossRef]
Cahill BR, ed. Proceedings of the Conference on Strength Training and the Prepubescent. Rosemont, IL: American Orthopaedic Society for Sports Medicine; 1988:1 –14
Faigenbaum A, Kraemer W, Cahill B, et al. Youth resistance training: position statement paper and literature review. Strength Cond. 1996;18 (6):62 –76
National Strength and Conditioning Association. Strength & Conditioning Professional Standards & Guidelines. Colorado Springs, CO: National Strength and Conditioning Association; 2001. Available at: www.nsca-lift.org/Publications/standards.shtml. Accessed March 29, 2007

Strength Training by Children and Adolescents Council on Sports Medicine and Fitness PEDIATRICS Vol. 121 No. 4 April 2008, pp. 835-840

 

Benefícios da Atividade Física  na Massa Óssea

3b2cdc2cfa870e83780f98289a37a4ef

Segundo MATSUDO e MATSUDO (1998) os benefícios gerais para o controle da saúde esta associado no efeito antropométrico e neuromusculares, a pessoa pode ter diminuição de gordura corporal, incremento da massa e da força muscular, da densidade óssea, fortalecimento do tecido conectivo, incremento da flexibilidade. No efeito metabólico ocorre o aumento do volume sistólico diminuição da freqüência cardíaca em repouso, melhora do consumo Maximo do oxigênio, o aumento da ventilação pulmonar, melhora do perfil lipídico, e a diminuição da pressão arterial. No efeito psicológico, ocorre melhora do auto conceito da auto estima e da imagem corporal, diminuição do stress, ansiedade, tensão muscular e insônia, diminuição do consumo de medicamentos, melhora das funções cognitivas e sociabilização.

idosos-malhando

Em outros estudos MATSUDO e MATSUDO (1991) o estímulo da carga mecânica provocado pela atividade física relacionada ao exercício teve um efeito pizoelétrico localizado no osso que gerou uma mudança elétrica, estimulando a atividade osteoblástica que geraria a formação e densidade óssea.

A prática da atividade física relacionada ao exercício físico promove um grande sucesso na Qualidade de Vida Relacionada a Saúde (QVRS), onde através de um equilíbrio está associada ao estilo de vida como: nutrição,comportamento preventivo, controle do estresse e do uso de drogas,uma ótima função física emocional intelectual e habilidades para participar de atividades importantes com a família, no local de trabalho e na comunidade.( REJESKI,  BRAWLEY & SHUMAKER 1996,Citado por  SOUZA, et al 2000).

Osteoporose3_11

Segundo MATSUDO e MATSUDO ( 2000 ), foi realizado um estudo sobre os efeitos benéficos da atividade física na terceira idade, dentre eles o efeito benévolos metabólicos, como o aumento do volume sistólico, diminuição da freqüência cardíaca em repouso, aumento do consumo Maximo de oxigênio em 10-30%, aumento da ventilação pulmonar e densidade óssea.

A atividade física é fundamental para o fortalecimento da massa muscular e  prevenção da atrofia, por desuso e retardo da degeneração óssea progressiva.

Estudos mostram que a caminhada de uma hora, duas vezes por semana durante oito meses aumentou o conteúdo mineral ósseo da espinha em 35% e exercício com peso pode ter efeito positivo no aumento da fixação do cálcio ósseo e prevenção de doenças.   (LAUTERT e col, 1995).

download

Em outros estudos, RITSON (1996) citado pôr RENNÓ et al (2001),a atividade física no tratamento da osteoporose contribui, também para melhora do sistema cardíaco, respiratório, muscular,ósseo,contribuindo para a melhora da Qualidade de Vida Relacionada a Saúde. Só que ao contrario de tudo isto a inatividade física colabora intensamente para uma rarefação óssea.

De acordo com MORALES e PEREIRA (2001), alerta que os programas de exercício, geralmente de vários meses de duração, incrementa a densidade óssea mineral em mulheres pos-menopáusica em comparação com as mulheres que não realizam nenhuma atividade.

Segundo a AMERICAN COLLEGE OF SPORT MEDICINE.POSITION STAND ON OSTEOPOROSIS AND EXERCISE (1995) Relatado por GALI (2001), A massa óssea é relacionada em uma ação da musculatura sobre o osso, portanto exercícios gravitacionais são mais efetivos, exemplos de atividades aeróbias com baixo impactos e levantamentos de pesos onde possa contribuir a fim de diminuir as incidências de quedas.

Em outros estudos exercícios bem estruturados planejados por profissionais podem alterar, diminuir ou até reverter principalmente algumas das mudanças fisiológicas relacionadas com idades que ocorrem no músculo esqueléticos, incluindo sarcopênia, redução da massa muscular e diminuição na produção de força. (WILLIAMS e col, 2002 citado por NAVEGA e col, 2003).

481120_645911452099143_887473633_n[1]

  1. GALI, J.C Osteoporose/Osteoporosis. Acta Ortopedia Brasileira. 2001; n.2, v.9: 53-62.
  2. LAUTERT, L, ALMEIDA, M.A, FRANCISCO, C.M.C Osteoporose: a Epidemia silenciosa que deve se tornar pública. Revista Brasileira Enfermagem Brasília. 1995; n.2, v.48: 161-167
  3. MATSUDO, S.M.M, MATSUDO, V.K.R Osteoporose e Atividade Física. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 1991; n.3, v.5: 33-60.
  4.  MATSUDO, S.M.M, TIMÓTEO, L.A, VICTOR, K.R.M, DOUGLAS, R.A, WELINGTON, V.A Nível de atividade física em crianças e adolescentes em diferentes regiões de desenvolvimentos. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. 1998; n.4, v.3: 14-26.
  5.  MATSUDO, S.M, MATSUDO, V.K.R, BARROS L.T.N Efeitos benéficos da atividade física na aptidão física e saúde mental durante o processo de envelhecimento. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. 2000; n.2, v.5: 61-73.
  6. NAVEGA, M.T, AVEIRO, M.C, OISHI, J Alongamento, caminhada e fortalecimento dos músculos da coxa: um programa de atividade física para mulheres com osteoporose. Revista Brasileira de Fisioterapia. 2003; n.3, v.7: 261-267.
  7. RENNÓ, A.C.M, DRIUSSO, P, FERREIRA, V Atividade física e osteoporose: uma revisão bibliográfica. Fisioterapia e Movimento. 2001; n.2, v.13: 49-54.
  8. SOUZA, G, SILVA, D, ANEGUES, A, BARROS, M Estilo de vida e aptidão física relacionada a saúde de servidores da universidade de Pernanbuco. Revista Baiana de Educação Física. 2000; n.3, v.1: 6-14.

Controle o seu nível de estresse

O QUE É O ESTRESSE

stress1

Está associado uma reação de alerta no organismo, liberada por hormônios e neurotransmissores, consequentemente em reação de: Perigo, Tensão e Emoções.

Adrenalina,  Noradrenalina e Cortisol são hormônios do estresse, porque?

No efeito de estresse acontece estreitamentos dos vasos sanguíneos , extremidades frias ou suadas, palidez, aumento da frequência cardíaca e respiratória, aumento da pressão arterial e sudorese.

O nosso organismo humano, foi programado para sofrer estresse, é apontado como um dos responsáveis pela preservação da espécie humana da terra.

O nível de estresse contribui para a proteção e evolução da raça humana em curto ou prolongado.

Causas do Estresse

estresse

Morte de um ente querido, separação conjugal, doenças na família, desemprego, conflitos profissionais ( incluindo assédio moral e sexual ), estilo de vida inadequado, certos tipos de personalidade, falta de autoconceito, sentimentos de angustia, arritmia cardíaca, derrames e doenças inflamatórias.

 

Consequências do estresse

Cansaço, insônia, dor nas costas, dor na nuca, mal estar e problemas de memorização.

 

O EFEITO DO ESTRESSE NAS MULHERES

estresse_causa_hipertensao_males_cardiacos

O estresse na mulher é gerado pelo hormônio do cortisol, onde consequentemente a mulher tendo esse hormônio desregulado, ela pode vir ter: queda de cabelo, problemas de pele, distúrbios alimentares, inchaços, constipação intestinal, dores musculares, dificuldade de concentração, irritabilidade, ansiedade, prejuízos extremo de memórias, infecções vaginais ( pela queda da resistência imunológica), irregularidades menstruais, dificuldade para ovular/ engravidar e falta de desejo sexual.

 

O EFEITO DO EXERCICIO FISICO NO ESTRESSE

exercicios-saude-300x200

O exercício físico ajuda: metabolizar a adrenalina no sangue, diminuindo a ansiedade, promove o aumento na produção e liberação de endorfinas, modulando a dor e produzindo euforia.

Melhora a produção de serotonina e dopanina propiciando o bem estar e prazer com a vida, diminuindo o efeito do estresse.

Muito obrigado a todos fui!

Referências

LAYAUN, SAMIRA Comer treinar durmir: como superar doenças na vida moderna, São Paulo 2012, Editora prumo 224 p pag 71

 

Em Guerra com o Sedentarismo

Fazer exercício é muito importante para saúde tanto para o homem quanto para a mulher e ajuda, a animar o corpo e representar um estilo de vida muito saudável para vida de um ser humano.

Mas infelizmente, um vilão está à solta, parece uma batalha travada entre o bem e o mal, alguns seres humanos se entregam a esse mal que é o sedentarismo.

Sedentarismo

sedentarismo1

O conceito desse vilão de acordo com LESSA et al, (2005) o sedentarismo trás bastante complicações para a saúde pública impede a pessoa de não praticar exercícios físicos que tem como estilos esporte ou atividade física relacionada ao exercício físico exemplo de uma academia de ginástica, lembrado que nem sempre a atividade física está no exercícios e sim qualquer movimento corporal produzindo pela musculatura esquelética exemplos de andar, correr, saltar, lavar a louça do almoço, passar roupa, trabalhar, ir até a padaria, pegar o ônibus, passear com os filhos, jogar vídeo games e outros gerando   certo gasto calórico. E sendo assim o exercício, somado pela aplicação de um profissional de Educação Física para dar rendimento ao aluno e melhorar o seu estilo de vida e uma aptidão física boa nos níveis de flexibilidade, força muscular e resistência cardiorrespiratória.

Consequências do sedentarismo

Sedentarismo2

Uma pessoa que não chega a fazer exercício físico com o decorrer da vida pode ter sérios riscos de doenças, segundo BRAGION et al (2003) a capacidade funcional e o nível de aptidão física baixo desencadeiam um desequilíbrio funcional podendo a levar o ser humano à perda consecutiva da força, atrofia da musculatura esquelética, lentidão na velocidade de ação e reação.

Sabemos que com decorrer da idade cronológica o ser humano começa a ter adaptações não muito justa na sua vida, de acordo com VIRTUOSO et al (2005), a diminuição da estatura acontece com mais rapidez nas mulheres a partir dos 45 a 50 anos de idade, se estabilizando aos 70 anos e dando se um declínio até aos 80 anos algumas por causa da osteoporose.

Na parte neuromuscular ocorre uma perda de 10 a 20% na força muscular e diminuição na habilidade na força estática onde ocorre menor índice de fadiga muscular e falta de aumento dos músculos (hipertrofia) caracterizando lentidão na capacidade funcional.

Capacidade cardiovascular diminuição no débito cardíaco o aumento na frequência cardíaca em movimento e em repouso, o aumento da pressão arterial, na parte pulmonar ocorre diminuição na frequência do volume respiratório, declínio dos números de alvéolos pulmonares inclusive quem fuma ajuda ainda mais a machucar os alvéolos e menor mobilidade da parede torácica.

pulmoes

Sistema neural, diminuição no numero e tamanho dos neurônios motores, na velocidade de condução nervosa, no fluxo sanguíneo cerebral e aumento do tecido conectivo, proporcionam o menor tempo de reação e velocidade do movimento.

Já em outros estudos de acordo com CARVALHO (1994), citado pôr RENNÓ et al (2001) o processo de envelhecimento está em um sistema dinâmico e progressivo, no qual existem mudanças morfológicas, funcionais e bioquímicas, que vão limitando progressivamente o organismo tornando mais susceptível as agressões intrínsecas e extrínsecas que terminam por levá-lo a morte.

sedentarismo-controles

Com o avanço da idade nos seres humanos, está comprovado que as capacidades físicas e performance esportiva, têm uma queda durante o envelhecimento.

Geralmente suas alterações negativas começa a se manifestar a partir dos 20 e 90 anos onde um individuo perde 50% da massa muscular.e com isso a inatividade física é a  principal arma para desencadear uma séries de doenças na qual uma delas é o,    enfraquecimento dos ossos, força, potência, resistência, flexibilidade,  amplitude do movimento e uma grande baixa no condicionamento funcional durante a sequencia de vida (CAMPOS, 2004).

Fatores de risco no sedentarismo

Segundo NAHAS et al 2002 as doenças relacionadas são: Hipertensão, Diabetes, Dislipidemia (colesterol auto), Obesidade.

De acordo com (CAMPOS, 2004) as doenças se multiplicam com o decorrer da idade e do sedentarismo tais como: Osteoporose, Diabetes e Obesidade.

A Sarcopenia que vem do grego Sarx: carne e penia: perda de acordo com (HAMEED, HARRIDGE & GOLDSPINK 2002 citado  pôr NAVEGA e col. 2003). A sarcopenia é a perda da massa muscular, relacionado ao processo de envelhecimento e diminuição do metabolismo basal. Sua principal causa é a inatividade, que devido ao desuso do sistema músculo esquelético, leva a uma atrofia muscular, onde este decréscimo ocorre por causa dos números e tamanhos de fibras do tipo 2 que decrescem com o avançar da idade, atigindo o acumulo de gordura no corpo a partir da quinta década de vida.

images (1)

 

O que fazer para evitar o sedentarismo

Personal-Trainer-Course-900px-900x650

Segundo (CAMPOS, 2004), fazer exercícios com orientação é fundamental para colocar o corpo em dia, exercícios como, caminhada, natação, musculação, corridas e alongamentos ajudam prevenir sérias complicações de doenças relacionadas ao sedentarismo e resultar em uma queima calórica excelente, colocando o organismo humano em estado de equilíbrio com bem estar físico, mental, social, espiritual e psicológico.

Pessoal espero muito ter ajudado nessas informações, bons treinos!

Referências Bibliográficas

  1. BRAGGION G, ANDRADE E, MATSUDO V, MATSUDO S, MARIN VR, et al Acréscimo de 1kg aos exercícios praticados por mulheres acima de 50 anos: impacto na aptidão física e capacidade funcional. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2003; n.1, v.11 53-58.
  2. CAMPOS, M.A Musculação: Diabéticos, Osteoporóticos, Idosos, Crianças e Obesos. Rio de Janeiro, 3a, Edição: Sprint 2004.
  3. LESSA I, PITANGA GJF, Prevalência e Fatores Associados ao Sedentarismo no Lazer em Adultos. Cad. Saúde Pública 2005 n.21, v.3: 870-877.
  4. NAHAS M,V SILVA D,K Prescrição de exercícios físicos para pessoas com doenças vascular periférica. Revista Brasileira de Ciência e Movimento 2002 n.1 v.10: 55-61.
  5. NAVEGA, M.T, AVEIRO, M.C, OISHI, J Alongamento, caminhada e fortalecimento dos músculos da coxa: um programa de atividade física para mulheres com osteoporose. Revista Brasileira de Fisioterapia. 2003; n.3, v.7: 261-267.
  6. RENNÓ, A.C.M, DRIUSSO, P, FERREIRA, V Atividade física e osteoporose: uma revisão bibliográfica. Fisioterapia e Movimento. 2001; n.2, v.13: 49-54.

 

 

A importância do exercício físico na depressão

A Organização Mundial da Saúde (O.M.S), aponta a depressão como uma doença comum no ano de 2030 atingindo toda a população.

Ansiedade-Depressao-e-Stress-A-Triade-da-Confusao-Mental

Depressão citada como doença grave, apontada por uma série de fatores : Tristeza , melancolia, perda do prazer ,desinteresse generalizado ,descontrole de raciocínio e concentração , dificuldade no poder de decisão. O ser humano depressivo , apresenta uma característica no sentimento de culpa e tendência em suicídio. A depressão é uma doença de incapacidade. Pode estar relacionada a hereditariedade, ao estresse ou nenhuma das causas aparente. É uma enfermidade e até irritante para todos aqueles que convivem com o enfermo.

Como ocorre a depressão

imagesP2W2US55

Em nosso cérebro existem neurônios, eles transmitem informações uns aos outros através de substâncias químicas chamadas de neutransmissores. Os exames clínicos para saber se a pessoa tem depressão ou não, é analisado pela urina em pacientes, onde se conclui através do exame diminuição de resíduos de serotonia, dopanina e noradrenalina ou seja os nossos neurotranissores tem dificuldade de trabalhar 100% no nosso cérebro gerando em si uma depressão.

Maior freqüência nas mulheres do que nos homens. Não respeita as idades : crianças, adolescente , adultos e idosos. Pessoas casadas que se separam e podem desencadear a enfermidade ou indivíduo com relações estáveis e de boa qualidade.

Fatores de risco

14_21_46_244_file

Estresse , tipo de alimentação ,alcoolismo , tabagismo , variações hormonais como puberdade , menopausa , pôs parto e risco de morte por suicídio.

Ocorrência de sintomas

Cansaço , alteração de sono e no apetite ,variação de peso ,falta de desejo sexual , queixa gastrointestinais , dor de cabeça ,tontura e dor nas costas : são sintomas físicas de corrente ao longo da vida. Tristeza, desânimo, falta de prazer, insatisfação, falta de esperança, sensação de vazio, baixa autoestima , irritabilidade, nervosismo , inquietação e pensamentos suicidas : são sintomas emocionais

O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO NA DEPRESSÃO

f5074e_190217ee17b944388f215334fc19af5e

Quando o Personal trainer conhece esse tipo de caso, e planeja toda essa periodização de acordo com o quadro físico do aluno, o exercício físico produz endorfina onde controla a dor, o estresse e promove atenção de euforia.

Os exercício elevam os níveis de serotonia que é o hormônio do bem estar, da dinâmica sexual, do humor, equilíbrio térmico nas funções motoras e controla o estresse.

O hormônio da dopanina é responsável pelo prazer, satisfação total e memória ativa. A dopanina baixa promove doença de mal de parkinson. Os ganhos estético no aluno proporcionado pelos exercício (perda de peso ou aumento da massa muscular). Melhora a alta imagem, alto conceito e auto estima.

O hormônio da noradrenalina e responsável pela vasoconstricao, estimulação cardíaca, atividade motora, coordenação, memória, emoções, estresse e sua falta gera mal de parkinson.

Assim o aluno fica motivado a prática do exercício dando sua continuidade e participando mais do seu social, profissional e sua família.

LAYAUN, SAMIRA Comer treinar durmir: como superar doenças na vida moderna, São Paulo 2012, Editora prumo 224 p pag 71

Obrigado pela atenção e carinho fui!

 

Importância da Ginástica Laboral nas Empresas

Caros amigos, alunos e professores, hoje vamos falar sobre a Importância da Ginástica Laboral nas Empresas.

A Atividade Laboral surgiu em 1925 como ginástica de pausa para operários, inicialmente na Polônia, depois na Holanda, Rússia, Bulgária, Alemanha Oriental e em outros países, na mesma época. No Japão foi implantada pela 1ª vez em 1928 com os trabalhadores do correio. Após a Segunda Guerra Mundial, o programa se espalhou por todo o país, e hoje, mais de um terço dos trabalhadores japoneses exercitam-se diariamente, tendo obtido como resultados, em 1960, a diminuição dos acidentes de trabalho, o aumento da produtividade e a melhoria do bem-estar geral dos trabalhadores.

No Brasil, as primeiras manifestações de atividades físicas entre funcionários foram registradas em 1901.
Em decorrência da automação e do avanço tecnológico, a produção consome hoje uma menor massa de trabalho humano do que no século XIX, para produzir o mesmo tipo e volume de produto, mas infelizmente a automação e a informatização não têm contribuído eficazmente para a saúde e qualidade de vida do trabalhador. O trabalho mecanizado trouxe uma escravidão exaustiva e desumana ocasionando aumento da velocidade do trabalho, controle dos operadores de máquina e isolamento dos trabalhadores uns dos outros.

ginatica-laboral
Com os avanços tecnológicos e a globalização da economia aumentaram-se os riscos nos ambientes de trabalho, principalmente em razão ao capitalismo selvagem e da exigência de maior produtividade, com qualidade, menor custo e em menor tempo. Devido a todas essas exigências, a proteção e manutenção da saúde e qualidade de vida e boas relações dos trabalhadores ficaram em segundo plano.
A atividade laboral vem se mostrando como um dos grandes aliados para a prevenção e reabilitação de doenças ocupacionais e acidentes no ambiente de trabalho, melhor integração entre os empregados e maior satisfação. Seus benefícios são de caráter físico, psicológico e social para o trabalhador e são inúmeras as vantagens para a empresa como, por exemplo, a efetiva melhoria do meio ambiente de trabalho, pois trabalhadores saudáveis e felizes produzem mais e melhor.

Pessoal um grande abraço a todos e bons treinos

 

 

Bibliografia:
– E.F. Órgão Oficial do CONFEF. Ginástica Laboral – Competência do Profissional de Educação Física. ano IV. N° 13. Agosto 2004.
MENDES, LEITE & Ricardo Alves,Neiva. Ginástica Laboral – Princípios e Aplicações Práticas. Manole, Barueri,SP, 2004.
– MORAES, DELBIN & Camila, Maria Andréia. Por Que Implantar um Programa de Ginástica Laboral na Empresa?. Revista Administrativa CREUPI – RACRE. n°09. jan/dez. 2005.
POLITO, BERGAMASCHI & Eliane, Elaine Cristina. Ginástica Laboral – Teoria e Prática. Sprint, Rio de Janeiro,RJ, 2002.
– SABIERAJSKI, Flávio. Trabalhador São, Maior o Lucro.Disponível em: www.belladasemana.com.br,2002. Acessado em:27/09/2006 às 11:26 hs.